Puesta de sol

De tanto y tanto navegar

urhajos:

Reading Books Creates Empathy
santosalvo:

http://www.emilianoponzi.com/
thefifthelephant:

by Emiliano Ponzi

thefifthelephant:

by Emiliano Ponzi

"El único auténtico viaje de descubrimiento, consiste no en ver nuevas tierras, sino en tener nuevos ojos." 
Marcel Proust

"El único auténtico viaje de descubrimiento, consiste no en ver nuevas tierras, sino en tener nuevos ojos." 

Marcel Proust

Uscimmo nella notte meravigliosa. Le stelle brillavano ancora, ma il mare e il mattino apparivano già all’orizzonte in un primo abbraccio azzurro, il cielo era più alto e l’odore di salsedine e di fiori più intenso di prima. Prometteva di essere una giornata limpida. Di giorno Lisbona è di una teatralità un po’ ingenua che incanta e incatena, ma di notte è la fiaba di una città che scende a terrazze verso il mare con tutti i lumi come una donna vestita a festa la quale si chini sull’oscuro innamorato.
"Dopo aver veleggiato per molti giorni e per molte notti, ho capito che l’Occidente non ha termine ma continua a spostarsi con noi, e che possiamo inseguirlo a nostro piacimento senza raggiungerlo mai. Così è il mare ignoto che sta oltre le Colonne, senza fine e sempre uguale, dal quale emergono, come la piccola spina dorsale di un colosso scomparso, piccole creste di isole, nodi di roccia perduti nel celeste"
ANTONIO TABUCCHI (Esperidi. Sogno in forma di lettera. Da Donna di porto Pim)

"Dopo aver veleggiato per molti giorni e per molte notti, ho capito che l’Occidente non ha termine ma continua a spostarsi con noi, e che possiamo inseguirlo a nostro piacimento senza raggiungerlo mai. Così è il mare ignoto che sta oltre le Colonne, senza fine e sempre uguale, dal quale emergono, come la piccola spina dorsale di un colosso scomparso, piccole creste di isole, nodi di roccia perduti nel celeste"

ANTONIO TABUCCHI (Esperidi. Sogno in forma di lettera. Da Donna di porto Pim)

drmanhattan:

We are forlorn like children, and experienced like old men, we are crude and sorrowful and superficial––I believe we are lost.

28 julio 1914 - 2014

Não sei quantas almas tenho. Cada momento mudei. Continuamente me estranho. Nunca me vi nem acabei. De tanto ser, só tenho alma. Quem tem alma não tem calma. Quem vê é só o que vê, Quem sente não é quem é, Atento ao que sou e vejo, Torno-me eles e não eu. Cada meu sonho ou desejo É do que nasce e não meu. Sou minha própria paisagem; Assisto à minha passagem, Diverso, móbil e só, Não sei sentir-me onde estou. Por isso, alheio, vou lendo Como páginas, meu ser. O que sogue não prevendo, O que passou a esquecer. Noto à margem do que li O que julguei que senti. Releio e digo: “Fui eu?” Deus sabe, porque o escreveu.No sé cuántas almas tengo. Cada momento mudé. Continuamente me extraño. Nunca me vi ni acabé. De tanto ser sólo tengo alma. Quien tiene alma no tiene calma. Quien ve es sólo lo que ve, Quien siente no es quien es, Atento a lo que soy y veo, Tórnome ellos y no yo. Cada sueño mio o deseo Es de lo que nace y no mio. Soy mi propio paisaje; Asisto a mi paisaje, Diverso, móvil y sólo, No sé sentirme donde estoy. Por eso, ajeno, voy leyendo Como páginas, mi ser. O que soguee no previendo, Lo que pasó olvidando. Noto al márgen de lo que leí Lo que juzgué que sentí. Releo y digo: “¿Fui yo?” Dios sabe, porque lo escribió.

Não sei quantas almas tenho. 
Cada momento mudei. 
Continuamente me estranho. 
Nunca me vi nem acabei. 
De tanto ser, só tenho alma. 
Quem tem alma não tem calma. 
Quem vê é só o que vê, 
Quem sente não é quem é, 

Atento ao que sou e vejo, 
Torno-me eles e não eu. 
Cada meu sonho ou desejo 
É do que nasce e não meu. 
Sou minha própria paisagem; 
Assisto à minha passagem, 
Diverso, móbil e só, 
Não sei sentir-me onde estou. 

Por isso, alheio, vou lendo 
Como páginas, meu ser. 
O que sogue não prevendo, 
O que passou a esquecer. 
Noto à margem do que li 
O que julguei que senti. 
Releio e digo: “Fui eu?” 
Deus sabe, porque o escreveu.No sé cuántas almas tengo. 
Cada momento mudé. 
Continuamente me extraño. 
Nunca me vi ni acabé. 
De tanto ser sólo tengo alma. 
Quien tiene alma no tiene calma. 
Quien ve es sólo lo que ve, 
Quien siente no es quien es, 

Atento a lo que soy y veo, 
Tórnome ellos y no yo. 
Cada sueño mio o deseo 
Es de lo que nace y no mio. 
Soy mi propio paisaje; 
Asisto a mi paisaje, 
Diverso, móvil y sólo, 
No sé sentirme donde estoy. 

Por eso, ajeno, voy leyendo 
Como páginas, mi ser. 
O que soguee no previendo, 
Lo que pasó olvidando. 
Noto al márgen de lo que leí 
Lo que juzgué que sentí. 
Releo y digo: “¿Fui yo?” 
Dios sabe, porque lo escribió.

fridakahlo:

Luz

fridakahlo:

Luz